Salão do Automóvel (9) – 7ª Edição – 1970

O 7° Salão do Automóvel, realizado entre 21 de novembro e 6 de dezembro de 1970, inaugurou o Parque Anhembi, o primeiro espaço construído em São Paulo especialmente para abrigar mostras industriais.

Completavam-se  dez anos desde a realização do primeiro Salão, e entre os automóveis, destacaram-se o Ford Landau, o Chevrolet Opala SS, o Dodge Charger e Charger RT, o VW 1500 Fuscão, a VW Variant e o VW Karmann-Ghia TC.

Entre os carros especiais, tiveram sucesso o Puma conversível com carburação dupla (primeiro esportivo exportado), o Meta 20 de Chico Landi, o FEI X-3 (com motor Chrysler de 300 HP) e o primeiro carro elétrico brasileiro (fabricado pela Icovel), além de numerosos modelos de buggies.

Mas a grande atração do Salão acabou sendo mesmo o Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi.

Anúncios

Salão do Automóvel (8) – 6º Edição – 1968

Apresentação do Chevrolet Opala no Salão de 68. (Foto: Ingo Hoffmann)

O 6° Salão do Automóvel, que foi realizado entre 23 de novembro e 8 de dezembro de1968, marcou o lançamento de produtos em uma nova faixa de mercado até então ignorada: o carro médio. A Ford (que já absorvera a Willys) lança o Corcel; a Volkswagen, o Sedan 1600 TL; e a General Motors seu primeiro automóvel, o Opala.

Nos carros de luxo, o destaque é para o Ford Galaxie LTD (de câmbio automático). Há a estréia da Alfa Romeo (após comprar a FNM) com a linha FNM 2000 e da Chrysler (substituindo a Simca) lançando o Simca GTX e anunciando o Dodge Dart.
Entre os modelos especiais, destacaram-se o Puma AC e o FEI X-1 (misto de automóvel, lancha e avião, projetado por alunos da Faculdade de Engenharia Industrial, de S. Bernardo do Campo). Este Salão teve importância fundamental para o setor de autopeças: as matérias de jornalistas especializados estrangeiros convidados pela Alcantara Machado (Wolfgang Hocke, Alemanha, Pierre Allenet, França, Gordon Wilkens, Grã Bretanha, Gianni Mazzocchi, Itália, Karl Ludvigser, EUA), publicadas em seus países de origem, deram dimensão internacional à indústria automobilística brasileira e chamaram a atenção dos importadores mundiais, dando início às primeiras consultas.

Salão do Automóvel (5) – 3ª edição – 1962

O 3º Salão do Automóvel celebrou a marca de 97% de nacionalização da fabricação de veículos.

Entre os destaques estavam o Aero Willys 2600 (apresentado também no Salão de Paris), a perua Simca Jangada, o esportivo VW Karmann-Guia, o DKW Fissore, o Scania – Vabis L-75.
A Toyota mostrou seu jipe Bandeirante, a Mercedes-Benz seu primeiro ônibus de turismo (com geladeira e sanitário), a Ford trouxe seu trator 8-BR, a Caterpillar, o modelo Traxcavator e a Huber Warco, a motoniveladora HD.

A partir dessa edição o evento passou a ser bienal.

Salão do Automóvel (3) – 1ª Edição – 1960

O Salão do Automóvel foi montado pela primeira vez em 1960,  entre 26 de novembro e 11 de dezembro daquele ano. Montado no Pavilhão da Indústria e do Comércio do Parque Ibirapuera, o evento recebeu 400 mil pessoas e reuniu as 12 montadoras existentes na época (Willys Overland, DKW-Vemag, General Motors, Ford, FNM, Simca, Volkswagen, Toyota, Romi-Isetta, International Harvester, Scania Vabis, Mercedes Benz) e uma centena de fabricantes de autopeças e acessórios.

Era a época do Aero Willys, do Renault Dauphine, da Rural Willys, da Kombi, do Simca Chambord e Presidence, do FNM 2000 JK e da Chevrolet Amazonas. E um protótipo conversível da Willys, o Saci.