Fotos de Radar (12) – Ford Escort

De volta, a Foto de Radar mostra o meu Ford Escort Hobby 1995. Não é lá um clássico, mas é um ótimo carro, passamos bons momentos juntos e ele nunca me deixou na mão.

Ford Escort Hobby (Foto:Rafael Gaspar/Gasparov Images)

O fato é que o Escort está à venda, e quem se interessar pode entrar em contato através dos comentários ou no email blogdirafale@gmail.com.

Ficha Técnica:

Ford Escort Hobby 1.0 1994/1995
Gasolina
60 000 km Rodados
1ª Parcela IPVA 2012 paga.
A Partir de R$ 6 499,00

Anúncios

Diário de Bordo

Agora vou falar como aquele comercial: É incrível a sensação de dizer, eu estava lá!!

Que visitar o Salão do Automóvel é uma grande experiência, eu já sabia. Que os carros exóticos, juntamente com as modelos que os acompanham, são um show a parte, eu já sabia!

Agora, não sei se tem a ver com a retrospectiva que fiz no Blog, deve ter, talvez por ser a primeira vez que fui junto com meu pai, mas eu nunca tinha aproveitado tanto uma edição do Salão do Automóvel como aproveitei essa!

As surpresas começaram ainda a caminho do Salão, na Marginal Pinheiros passamos por um Chrysler 300C Limusine, preto, parando num posto de combustível, alguns minutos depois, já na Marginal Tietê, um Mustang Shelby GT 500 , cinza, passou na faixa ao lado, meu irmão tentou alcançá-lo, mas estávamos num Ford Escort, aí fica meio difícil.

Ford Mustang Shelby GT 500 (Foto: Rafael Gaspar/Gasparov Images)

Enfrentamos uma fila de carros para entrar no estacionamento do Anhembi, vimos os famosos Guard-Rails da Indy, estacionamos num local alternativo, tomamos uma van gratuita que nos levou para a portaria, no caminho, cruzamos com outro Mustang Shelby GT 500, desta vez branco. Se eu voltasse para casa dali já estaria feliz, mas eu precisava ir além.Ford Mustang Shelby GT 500 (Foto: Rafael Gaspar/Gasparov Images)

Às 15h01 dávamos os primeiros passos dentro do Pavilhão de Exposições do Anhembi, à primeira vista achei que não conseguiríamos andar, pelo tamanho da muvuca perto dos portões, o primeiro estande visitado foi do Etanol, onde é possivel ver um bólido da F-Indy e uma instalação explicativa sobre o Combustível da categoria, hesitamos por um tempo até decidirmos a direção a tomar.

Decidimos visitar primeiro as grandes montadoras, entramos num corredor estreito, passamos por trás do Estande da Platinuss e demos de cara com a Lotus JPS nº12 que Ayrton Senna pilotou em 1986, no estande da Bradesco Seguros.

Lotus JPS 84 (Foto: Rafael Gaspar/Gasparov Images)

Continua…

Salão do Automóvel (21) – 17ª Edição – 1992

O Salão do Automóvel e Autopeças 1992, realizado entre 15 e 25 de outubro de 1992, foi certamente uma das melhores edições dos 32 anos de existência do evento. Nessa 17ª edição, os 760 mil visitantes foram brindados com um show de novidades pelos 400 expositores presentes: estimulados pela presença de numerosos modelos importados, que ocuparam metade do espaço disponível, os fabricantes nacionais esmeraram-se em apresentar seus lançamentos mais avançados, de tal forma que, à primeira vista, foi difícil distinguir uns dos outros. O visual também foi outro aspecto de realce: em 1992, o Salão do Automóvel chegou a competir com a FENIT, campeã pela beleza de suas modelos. Cada estande disputou com os demais pela qualidade de sua montagem e pela beleza de suas recepcionistas, entre as quais, se notavam conhecidas modelos brasileiras.

Photo of my '93 Fiat Tempra 1.6 SX i.e. cat sedan.

Fiat Tempra (Foto: Wikipedia)

As montadoras brasileiras, representando o maior parque industrial automobilístico da América Latina e o décimo segundo do mundo, trouxeram o GM Ômega, com destaque para a perua, lançada para substituir a Caravan; o Fiat Tempra 2 portas, fabricado só no Brasil; o VW Gol 1000 e GTI e a VW Parati com motor AP-1800 à gasolina; a nova linha Ford Escort, com motor de 2 litros e injeção eletrônica; e o Gurgel Supermini, lançado para substituir a linha BR-800.

Na grande festa dos importados, da qual participaram também as montadoras estrangeiras instaladas no País, destacaram-se o VW Audi 100 Quattro, o VW Chico (protótipo urbano, com tração mista, elétrica e a explosão, apelidado pela imprensa de “Fusca do ano 2000”), os Ford Ghia Via (esportivo) e Explorer (utilitário); os Toyota 4500GT, Corolla e a picape Hilux; os Mazda 626 (sedan) e B2200 (picape); o Honda NSX (esportivo), Civic Del Sol e Accord (sedan e perua); os Suzuki Sidekick (jipe) e Vitara; os Mitsubishi Mirage (sedan), Eclipse e 3000 GT(esportivos), Pajero (jipe) e L200 (picape); os Subaru Legacy (sedan e perua) e SVX (esportivo); o Hyundai Scoupe 1.5 Turbo; os Kia Sephia 1.5i, Besta (perua) e Ceres (picape); os Mercedes-Benz 600 SL (o mais caro do Salão, US$ 280 mil) e 300G – 4×4 (jipe); os BMW 325i, 704i e a perua Touring 525i; os Citroën A-X1.3, BX (uruguaio), ZX e XM (sedan e perua); os Peugeot 405 Turbo (vencedor do rali Paris-Dacar ’90), 205 GTi (versão elétrica) e 505 (argentino); os Renault Clio, Safrane e a perua Nevada (argentina); os Volvo 440, 850 e 960; o SAAB 9000 CSE Turbo; o Lada Samara (três volumes).


Honda NSX

Na área dos caminhões também houve muitas novidades, com destaque para a carreta “cegonha” fabricada pela Translor, uma transportadora de veículos.Nos estandes “duas rodas”, a novidade foi o motoscooter Honda CT-90, montado em Manaus, além de modelos importados da Honda, BMW e Kawasaki.

Os fabricantes de autopeças — com 145 expositores, entre os quais, nove de equipamentos para oficinas e postos de serviço — mais uma vez brilharam, repetindo as vendas do Salão anterior, visitados por cerca de 900 compradores estrangeiros. Mas a grande surpresa foram os negócios efetuados com os carros estrangeiros: 577 unidades vendidas, com destaque para a Suzuki, com 110 veículos. A Kia, por sua vez, anotou 600 pedidos firmes para sua perua Besta, a ser montada em Manaus. Finalmente, como a sublinhar a importância internacional adquirida pelo Salão do Automóvel, cabe registrar a manifestação feita pela entidade ecologista Greenpeace, que estendeu no alto de uma coluna do Pavilhão um enorme ”auto de infração”, multando os fabricantes de veículos por poluirem o ar.