Campeonato Paulista de Automobilismo agora faz parte do calendário da Cidade!

Na última quarta feira, dia 15, em uma reunião entre os representantes da administração de São Paulo, da SpTuris e representantes do automobilismo, uma decisão muito importante para o automobilismo paulista:  O Campeonato Paulista agora fará parte do calendario oficial da cidade de São Paulo!

Acabou o sofrimento de ter corridas canceladas por causa de eventos no autódromo, acabou a incerteza que os pilotos tinham quando nao sabiam realmente se conseguiriam correr naquele final de semana. Todas as dez etapas de 2013 estão com datas garantidas mediante contrato, além de um treino livre por semana.

 

Anúncios

Foto de Radar (13) – Ford F-1000

Resgatando algumas fotos antigas, achei esta F-1000 clicada em Osasco, não sei nem ao certo porque tirei foto dela, a foto é de março de 2009.

A explicação mais cabível é que, na época, estava com uma câmera recém adquirida e tirava foto do que via pela frente, e como esse gosto por carros não é de hoje…

Fotos de Radar (12) – Ford Escort

De volta, a Foto de Radar mostra o meu Ford Escort Hobby 1995. Não é lá um clássico, mas é um ótimo carro, passamos bons momentos juntos e ele nunca me deixou na mão.

Ford Escort Hobby (Foto:Rafael Gaspar/Gasparov Images)

O fato é que o Escort está à venda, e quem se interessar pode entrar em contato através dos comentários ou no email blogdirafale@gmail.com.

Ficha Técnica:

Ford Escort Hobby 1.0 1994/1995
Gasolina
60 000 km Rodados
1ª Parcela IPVA 2012 paga.
A Partir de R$ 6 499,00

Foto de Radar (11) – DeLorean

Estou devendo essa publicação para meu amigo e fiel colaborador deste Blog, Rafael Franceschini, que registrou essas imagens em Santo André.

DeLorean (Foto: Rafael Franceschini/Gasparov Images)

DeLorean (Foto: Rafael Franceschini/Gasparov Images)

O centro das atenções é o DeLorean, mas não pude deixar de notar o Del Rey posicionado estrategicamente para dar um toque especial…

Simplesmente Ray!

Hoje é aniversário de um dos gigantes do Jazz.

Trata-se de Ray Charles, um dos maiores Jazzistas de todos os tempos, de um tempo onde o padrão musical estava em um nível tão alto, que talvez nunca mais o alcançaremos, numa época onde a música era tocada com o coração, e não com o bolso, uma época onde não haviam partituras para seguir, e, apesar de outros problemas sociais, a liberdade era demostrada muito claramente.

Eu, junto com outros trompetistas, sonhamos em tocar em uma boa banda de Jazz, tocar músicas como esta no vídeo, e não há nada como aprender com Ray Charles:

(por um erro no link o video não tinha sido publicado, agora está tudo certo!)

Foto de Radar (10)

Retomando a série de Fotos de Radar, que há algum tempo está longe, publico a foto que tirei no dia 22 de abril, a caminho de Paranapiacaba.

É uma pena não saber o nome deste caminhão, mas achei legal que acabei capturando dois tesouros: repare na Belina do outro lado da rua.

O novo site da Classic Cup

Hoje, navegando pelo Twitter, li um Twitt do Flavio Gomes sobre o novo site da Classic Cup, segui o link e cheguei no seu blog, onde ele descreve a importância desse site na reanimação da categoria e faz uma breve biografia da mesma.

Tenho um grande carinho pela Classic Cup, foi através dela que eu me aproximei do mundo do automobilismo, me aproximei de Interlagos, pra falar a verdade, e ainda sonho em colocar um Del Rey pra correr por lá.

O Site é muito bacana, bem organizado, vale a pena a visita!

http://classiccup.com.br/

Saudades – Need for Speed II SE

Essa semana li no blog do meu irmão, o Gasparov Motorsport, uma matéria que ele fez sobre o primeiro jogo de corrida que tivemos contato na era digital, o Need For Speed II SE, da Electronic Arts – que viria a se tornar a EA Sports e daria sequência na saga do jogo. Nós perdíamos horas jogando, batíamos recordes e sabíamos as 8 pistas, salvo engano, decor e salteado, invertido ou simétrico.

Segue o Texto:

“Este foi o primeiro jogo de corrida que joguei para valer! E deve ser por isso que até hoje é um dos meus prediletos. Na primeira vez mal consegui correr no circuito oval, o mais fácil. Mas não era difícil pegar o jeito do jogo. Depois de correr, e vencer, em todas as pistas a graça era correr com traçado invertido. Ou então correr para bater o recorde da pista. o que era meu caso. Eu e meu irmão jogávamos, primeiro para vencermos um ao outro e aumentarmos nosso placar particular, e para quebrar o recorde um do outro. Desde essa época ele já era melhor que eu. Em quase todas as pistas a volta mais rápida era dele. Eu era mais regular e levava vantagem no tempo total da corrida.

As pistas, com variações de dificuldade, eram ótimas. Fazia praticamente todas as curvas usando freio de mão, a forma mais eficiente. As mais difíceis era a Mistic Peaks, no Himalaya, e outra que tinha uma série de cotovelos, se me lembro bem, era North Country. Gostava muito de uma que passava por um túnel e a linha de chegada era na praia, acho que era a Last Resort, no México. Esse era outro detalhe que muito legal, cada circuito tinha uma temática , com variação de ambientes no mesmo circuito. E os carros? Dividos em três categorias diferentes, tinha para todos os gostos. Tinha o Ford Indigo era leve, andava bem, mas se encostasse a roda em algo, rodava ou capotava. Gostava muito do Nazca C2, BMW, andava bem, era leve e tinha ótima estabilidade. O Jaguar XJ220 tinha um motorzão, andava bem mas era muito pesado. A vantagem éra quase nunca rodava. Quando os outros pilotos tentavam nos empurrar para fora da pista, ele era o único que continuava na tragetória. Tinha também a Ferrari F50 e a 355 F1, o Ford GT90 (releitura do clássico GT40). Mas o melhor de todos era o McLaren F1. Era quase um covardia correr com ele. Impossível perder com esse carro.

A trilha sonora, na corrida ou no menu, era o toque final. Variando de acordo com o local dos circuitos era sempre Heavy Metal e Eletônica. Conseguia conciliar muito bem com a adrenalina da disputa e da velocidade da corrida. Por último os vídeos. A introdução era sensacional e alguns carros, os mais rápidos ou sofisticados, tinha um vídeo de apresentação. O meu preferido é do Jaguar, pelo ambiente e a combinação da música Instrumental e Heavy Metal. Abaixo, todos os vídeos do jogo. É uma amostra do que falei neste último parágrafo. Bateu uma saudade…”

O mais legal era que instalamos o jogo em espanhol, e viajávamos com quando o narrador dizia: “Vuelta Más rápida!”, e a cada volta esperávamos apreensivos ele dizer: “Vuelta Récord!”, e quando ele dizia quase pulávamos de alegria. Outro ponto legal do jogo era o modo A Muerte, onde começávamos na pista oval, com 8 carros, e à medida que passavam as etapas o último colocado de cada uma delas era eliminado. Nós disputávamos a competição juntos, e geralmente a disputa ficava para a última etapa, na pista bônus, em Hollywood, onde travávamos um grande duelo. O eliminado recebia a seguinte mensagem do narrador espanhol: “Mui Márte, fue descalificado de la competición a muerte!” ou algo do tipo, peço desculpas aos espanhóis se escrevi errado.

Quando eu descobri os códigos do jogo, ficou ainda mais legal, dependendo o código que colocávamos, podíamos correr com troncos de árvore, veículos do tráfego, como ônibus escolares, caminhões, além das barracas de pipoca, carroças, bondes e qualquer outro  objeto móvel do cenário do jogo.

Bons tempos, aqueles…

Foto de Radar (7)

Esta é especial, foi tirada em 12/12/2009, a caminho do Autódromo de Interlagos, onde íamos pela primeira vez assistir a Classic Cup, na ocasião, assistimos a última etapa do campeonato.

Mustang Mach 1 (Foto: Rafael Gaspar/Gasparov Images)

Este Mustang Mach 1 também estava a caminho do circuito, pois logo após a corrida da Classic Cup, foi possível vê-lo correr no Campeonato de Regularidade.